sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Assassina de 61 anos, a "Viúva Negra", é presa após 21 anos escondida no Paraná



Presa na tarde desta quinta-feira (5), em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná, Lúcia de Fátima Dutra Weisz, de 61 anos, conhecida como "Viúva Negra", foi transferida para a delegacia de Campinas-SP, responsável pela investigação, no início da noite desta quinta-feira.

Ela foi encontrada pelos policiais no bairro Nova Rússia, depois de ficar 21 anos foragida. A polícia informou que a suspeita é de que ela estava morando na cidade há cerca de um ano. Lúcia integrava a lista dos foragidos mais procurados pela Interpol, segundo a polícia.

A "Viúva Negra" foi condenada, em abril de 2010, a 14 anos de prisão pelo homicídio qualificado do marido. Conforme a polícia, ela estava foragida desde o dia 20 de dezembro de 1995, quando foi resgatada da cadeia pública de Sumaré-SP, com a ajuda do estelionatário José Paulo Gordo, preso em julho de 1999, em Curitiba.

O crime pelo qual ela foi condenada ocorreu em 12 de março de 1995, em Americana-SP. Segundo a polícia, a empregada doméstica Valdelaine Pereira, filha de uma ex-empregada da casa, matou o empresário Gavril Weisz, na época com 41 anos, a mando da "Viúva Negra".

Ainda conforme a polícia, Lúcia tentou simular que o marido tivesse sido morto em um assalto, na própria casa, mas entrou em contradição nos depoimentos. Presa, ela confessou o crime e alegou que o casal estava em um processo de separação e, por isso, temia perder a guarda do filho.

Pelo crime, segundo a polícia, ela pagou cerca de R$ 2 mil antecipadamente e depois arcaria com mais R$ 17 mil.

Fonte: RPC